Ir al menú de navegación principal Ir al contenido principal Ir al pie de página del sitio

El papel de las redes sociales en los casos de acoso sexual de periodistas: un estudio de la realidad en el interior de maranhão

Resumen

El propósito de este artículo es comprender el papel que juegan las redes sociales digitales en situaciones de acoso que involucran a mujeres periodistas, ya que la inserción de estas redes se ha convertido en un factor determinante e inseparable de su trabajo cotidiano. para ello, utiliza como metodología la tetrad de mcluhan (Mcluhan; Mcluhan, 1998), en un intento por comprender qué cambios en el uso de las redes sociales digitales traen a las acciones de acoso, es decir, cómo altera / interfiere su práctica. El esquema del estudio incluye testimonios / entrevistas con 19 periodistas entrevistados de un universo de 23 que trabajan en la prensa convencional en Imperatriz (MA), la segunda ciudad más grande de Maranhão, Brasil. Se concluyó, entre otros, que si bien las redes sociales dejan rastros y esto permite la generación de evidencia, alientan al acosador, ya que no se encuentran cara a cara con los periodistas, pero saben que las redes sociales corresponden a persona, además de permitir contactos que se realizarán fuera del horario laboral. La situación muchas veces lleva al periodista a optar por no denunciar un hecho para no mantener el contacto a través de las redes y, por tanto, generar acciones que permitan el acoso

Palabras clave

Redes sociales; El acoso sexual; Periodistas; Maranhão (MA).

PDF Ver en línea

Biografía del autor/a

Marcelli Alves da Silva

Doutor em Comunicação (Jornalismo e Sociedade) pela Universidade de Brasília, UnB. Professora adjunta da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Possui graduação em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1999), especialização em Imagem e Som (2002, UFMS), Mestrado em Produção e Gestão Agroindustrial (2005, Uniderp ) e Especialização em Gestão de Negócios de IES (Universidade Estácio de Sá do Rio de Janeiro) . Atua na área de Telejornalismo e ciberjornalismo.

Thaisa Cristina Bueno

Doutora em Comunicaçao pela Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUC-RS

Professora Adjunta do curso de Jornalismo UFMA – Imperatriz e professora do mestrado em comunicação da mesma universidade. Integrante do grupo de pesquisa GCiber – UFMA e Ciberjornalismo – UFMS

Contato: [email protected]

http://orcid.org/0000-0002-7048-3920

Janaina Lopes de Amorim

Janaina Lopes de Amorim,

Mestre em Comunicação Contemporânea UFMA/ Imperatriz –

Integrante do grupo de pesquisa GCiber - UFMA

Contato: [email protected]

ORCID iD

https://orcid.org/0000-0003-1190-2547


Citas

  1. ABRAJI; gênero e número. (2020). Mulheres no jornalismo Brasileiro. Relatório. Disponível em: <http://www.mulheresnojornalismo.org.br/ 12901_GN_relatorioV4.pdf>. Acesso em 23 de junho de 2020.
  2. ALEMANY, Carme. (2009). Assédio Sexual. In: HIRATA, Helena [et al.] (org.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora Unesp.
  3. AMORIM, Janaina Lopes de; BUENO, Thaisa; CARVALHO, Michelly. (2020). Assédio nas plataformas digitais: estudo das relações de trabalho das jornalistas no MA. Revista Esferas, Revista Interprogramas de Pós-graduação em Comunicação do Centro Oeste, nº 20.
  4. AUN, Heloisa. (2016). Jornalistas lançam ação contra assédio após demissão de repórter. Catraca Livre. Disponível em:<https://catracalivre.com.br/cidadania/jornalistas-lancam-campanha-contra-o-assedio-apos-demissao-de-reporter/>. Acesso de 9 de setembro de 2020.
  5. BENJAMIN, Ruha. (2020). Retomando nosso fôlego: estudos de ciência e tecnologia, teoria racial crítica e a imaginação carcerária. SILVA, Tarcizio (org.). Comunidades, algoritmos e ativismos digitais. Olhares afrodiaspóricos. SP: LiteraRua.
  6. BOURDIEU, Pierre. (2012). A dominação masculina. 11° ed. - Rio de Janeiro. Bertrand Brasil.
  7. CAMPAGNOLI, Adriana de Fatima Pilatti Ferreira; MANDALOZZO, Silvana Souza Netto. (2013). Sexo e poder nas relações de emprego: uma breve análise sobre o assédio sexual. Revista eletrônica [do] Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, Curitiba, PR, v. 2, n. 16.
  8. CARDOSO, Rafael. (2019). Justiça condena radialista por assédio sexual contra profissionais de comunicação no MA. G1. Disponível em: https://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2019/12/18/justica-condena-radialista-por-assedio-sexual-contra-profissionais-de-comunicacao-no-maranhao.ghtml. Acesso em 26/11/2020.
  9. CARVALHO; Ana Paulo Pinto de. (2017). Midiatização nas relações de trabalho e práticas de comunicação de grupos organizacionais em dispositivos móveis: O caso WhatsApp. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Linguagens) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba.
  10. CASADEI, Elisa Bachega.(2011). A inserção das mulheres no jornalismo e a imprensa alternativa: primeiras experiências do final do século XIX. Revista ALTERJOR. Grupo de Estudos Alterjor: Jornalismo Popular e Alternativo (ECA-USP) Ano 02. Vol. 01. Edição 03.
  11. COUTINHO, Iluska.(2018). Com telas e afeto: para fazer um telejornal predileto e inclusivo. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Joinville – SC.
  12. DATA FOLHA. Assédio sexual entre as mulheres. 29 e 30/11/2017. Disponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2018/01/11/bfed1c72cc0eff5f76027203648546c5bbe9923c.pdf. Acesso em 23 de junho de 2019.
  13. DIAS, Isabel. (2008). Violência contra as mulheres no trabalho: O caso do assédio sexual. Sociologia, Problemas e Práticas. 2008. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S0873-65292008000200002&script=sci_abstract. Acesso de 10 de agosto de 2019.
  14. FENAJ. Violência contra jornalistas e liberdade de imprensa no Brasil. Relatório de 2017 e 2018. (2020). Disponível em http://fenaj.org.br/relatorios-de-violencia-contra-jornalistas-e-liberdade-de-imprensa-no-brasil/. Acesso em 11 de agosto de 2019.
  15. FREITAS, Maria Ester de. (2001). Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. RAE - Revista de Administração de Empresas. v. 41 . n. 2.
  16. FUKUDA, Rachel Franzan. (2012). Assédio Sexual: Uma releitura a partir das relações de gênero. Revista Simbiótica - Universidade Federal do Espírito Santo - Núcleo de Estudos e Pesquisas Indiciárias. Departamento de Ciências Sociais - ES – Brasil. Disponível em http://periodicos.ufes.br/simbiotica/article/view/4512. Acesso em 5 de agosto de 2019.
  17. GEHLEN, Marco Antônio; BUENO, Thaísa; SILVA, Vanessa di Paula. (2018). Quem somos? O perfil educacional do formado em Jornalismo na UFMA de Imperatriz (MA). Paradoxo. vol.3| nº2.
  18. HIGA, Flávio da Costa.(2016). Assédio sexual no trabalho e discriminação de gênero: duas faces da mesma moeda? Revista direito GV. São Paulo. v. 12. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2317-6172201620. Acesso em 20 de junho de 2019.
  19. KROTH, Maicon Elias. (2019). As afetações da midiatização no cotidiano do radiojornalismo. Anais de Resumos Expandidos do Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Sociais, [S.l.], v. 1, n. 2.
  20. LIMA, Lorena Lacerda. (2020). WhatsApp Na Rotina Produtiva Do Interior: Um Estudo A Partir Das Perspectivas Dos Jornalistas De Imperatriz (MA) E Araguaína (TO). Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Comunicação Social. Universidade Federal do Maranhão – UFMA.
  21. LIMA, Daniele Silva; SANTOS, Wyldiany Oliveira dos; TAVARES, Camila Quesada. (2019). Relações de gênero na rotina de trabalho de mulheres jornalistas: um estudo de Imperatriz e Balsas, no Maranhão. Âncora. Revista Latino-americana de Jornalismo. João Pessoa. Ano 6. vol.6.n.2.
  22. MAGALHÃES, Maria José. (2011). Assédio sexual: um problema de direitos humanos das mulheres. In: Sani, A. I. Temas de Vitimologia: Realidades Emergentes na Vitimação e Respostas Sociais.Coimbra: Editora Almedina.
  23. MASSUCHIN, Michele Goulart; LIMA, Daniele Silva. (2019). Quem vai dar visibilidade para a nossa realidade? Diferenças de gênero nas rotinas de produção das empresas de comunicação em Imperatriz (MA) .In: BERTOTTI, Bárbara Mendonça.Gêneroe resistência. Volume 1: memórias do II encontro de pesquisa por/de/sobre mulheres. Porto Alegre, RS: Editora Fi.
  24. MCLUHAN, M.; MCLUHAN, E. (1998). Laws of media: the new science. Toronto: University of Toronto. 2nd Revised ed. edição
  25. MEYROWITZ, Joshua. (2003). Web of Lies. Disponível em: www.inthesetimes.com/comments.php?id=318_0_1_0_C Acesso em: 1 Set. 2019.
  26. LELO, Thales Vilela. (2019). A feminização do jornalismo sob a ótica das desigualdades de gênero. Revista Estudos Feministas,vol.27. Nº.2, Florianópolis – SC.
  27. LOURO, Guacira Lopes. (1997). Gênero, Sexualidade e Educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ. Vozes.
  28. NEVEU, Érik. (2006). Sociologia do Jornalismo. São Paulo: Editora Loyola.
  29. NUNES, Maria Terezinha; REGO, Andrea de Castro Souza. (2011). Assédio Moral e Sexual. Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Senado Federal. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/509899. Acesso em 23 de junho de 2019.
  30. PORTELA, Monique Ryba. (2019). Percepção do assédio moral e sexual contra mulheres jornalistas em Curitiba. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Comunicação Social. Universidade Federal do Paraná. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/56614. Acesso em 11 de junho de 2019.
  31. PEDRO, Joana. (2012). O feminismo de Segunda Onda. Corpo, prazer e trabalho. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org). História das Mulheres no Brasil. Editora Contexto.
  32. RODRIGUES, Bruna. (2016). “Meu Corpo, Minhas Regras”: Direito ao Corpo e Narrativas Feministas nas Redes Sociais. Intercom– Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – São Paulo – SP.
  33. ROCHA, Paula Melani. (2004). As Mulheres Jornalistasno Estado de São Paulo: O Processo de Profissionalização e Feminização da Carreira. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Federal de São Carlos.
  34. ROCHA, Paula Melani; SOUSA, Jorge Pedro. (2011). O mercado de trabalho feminino
  35. em jornalismo: análise comparativa entre Portugal e Brasil. Impulso, Piracicaba.
  36. SAFFIOTI, Heleieth. (2015). Gênero, patriarcado, violência. 2ª ed. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo.
  37. TEIXEIRA, Simone Andrade; FERREIRA, Silvia Lúcia. (2011). Direitos sexuais
  38. e direitos reprodutivos. Teoria e práxis de feministas acadêmicas. In: BONNETI, Alinne,LIMA E SOUZA, Ângela Maria Freire de (Org). Gêneros, Mulheres e Feminismos. Salvador: EDUFBA/NEIM.
  39. UFSC; FENAJ.(2012). Quem é o jornalista brasileiro? Perfil da profissão no Brasil. Disponível em https://fenaj.org.br/wp-content/uploads/2016/01/pesquisa-perfil-jornalista-brasileiro.pdf. Acesso em 3 de junho de 2019.