Ir al menú de navegación principal Ir al contenido principal Ir al pie de página del sitio

A formação de técnicos agrícolas para o desenvolvimento territorial dos espaços da agricultura familiar: Uma análise com egressos do curso PROEJA do IFPE-Campus Vitória de Santo Antão || Technical Training for Agricultural Territorial Development of Family Farming Spaces: An Analysis with Students of PROEJA IFPE-Campus Vitoria de Santo Antão

Resumen

O Desenvolvimento Territorial dos espaços agrícolas transcende as concepções de espaço estatizado, sendo a mobilização das forças locais determinantes nesse processo; assim, é imperioso a formação dos atores sociais locais, agricultores familiares, os quais são responsáveis pelas melhorias desse território. Diante disso, o presente artigo teve como objetivo analisar como a formação do técnico em agricultura familiar, no Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia-IFPE-Campus Vitória de Santo Antão, tem contribuído para viabilizar o desenvolvimento territorial dos espaços da agricultura familiar. Para tanto, este estudo utilizou-se de pesquisa bibliográfica e entrevistas semiestruturada, com alunos egressos do curso Técnico em agricultura Familiar na Modalidade de Jovens e Adultos-PROEJA que forneceram informações relevantes para perceber como o agricultor com formação técnica se situa num contexto territorial agrícola pautado na perspectiva do desenvolvimento sustentabilidade. Os resultados demostram que mesmo o conceito de Desenvolvimento Territorial tendo sido abordado de forma muito abrangente durante o curso, a formação contribuiu para formação de sujeitos mais empoeirados em relação aos seus territórios, seja pela utilização de práticas agrícolas dentro de uma concepção mais sustentável, ou pelas aquisições de conceitos de responsabilidade social, cultural e política para o Desenvolvimento Territorial. Percebe-portanto, que tais agricultores, detentores de saberes práticos, ao se apropriarem de conhecimentos técnico científico promovem melhorias em seus territórios.

El desarrollo territorial de los espacios agrícolas está más allá de las concepciones del espacio estatal, y la movilización de las fuerzas locales es algo decisivos en este proceso, entonces es imprescindible la formación de actores sociales locales, los agricultores, que son responsables de las mejoras de ese territorio. Por lo tanto, este artículo pretende analizar cómo la formación do técnica en la agricultura familiar, del Instituto Federal de Educación, Ciencia e Tecnología de Pernambuco campus Vitória de Santo Antão – IFPE Vitória- ha contribuido a permitir el desarrollo territorial de las áreas de la agricultura familiar. Por lo tanto, este estudio utilizó la literatura y entrevistas semiestructuradas con el curso para estudiantes agricultores, el curso Técnico en Agricultura Familiar en el modo de jóvenes y adultos - PROEJA que proporciona información relevante para entender cómo los agricultores si capacitan técnica es en un contexto territorial rural guiado en la perspectiva del desarrollo sustentable. Los resultados demuestran que incluso el concepto de desarrollo territorial se han abordado de manera muy general durante el curso, la carrera ha contribuido a la formación de sujetos con mayor poder de decisión en relación con sus territorios, ya sea mediante el uso de prácticas agrícolas dentro de un diseño más sostenible, o la adquisición de conceptos de responsabilidad social, territorial o desarrollo cultural y político. Concluyese por tanto, que estos agricultores, poseedores de conocimientos prácticos cuando se apropian de conocimientos técnicos y científicos promueven cambios en sus territorios.

The Territorial Development of agricultural land transcends the conceptions of space nationalized, and the mobilization of local forces decisive in this process; thus, it is imperative the formation of local social actors, farmers, who are responsible for the improvements that territory. Thus, this article aims to analyze how the technical formation does family farming, the Federal Institute of Science Education and Technology-OPSI-Campus Vitoria de Santo Antão has contributed to enable the territorial development of the areas of family farming. Therefore, this study used the literature and semi-structured interviews with course graduates students Technician Family farming in Youth Mode and Adult-PROEJA that provided relevant information to understand how the farmers with technical training is in a rural territorial context guided in the development sustainability perspective. The results demonstrate that even the concept of territorial development have been addressed very comprehensively during the course, the training contributed to training more empowered subjects in relation to their territories, either by the use of agricultural practices within a more sustainable design, or the acquisition of concepts of social responsibility, cultural and policy territory or development. Perceived therefore, that such farmers, practical knowledge holders to take ownership of technical and scientific knowledge promote improvements in their territories.

Palabras clave

Desenvolvimento Territorial, Agricultura Familiar, Formação, Técnico Agrícola, PROEJA.

PDF

Citas

  1. Abramovay, R. (2000). O capital social dos territórios: Repensando o desenvolvimento rural. São Paulo: Revista Economia Aplicada, número 2, vol. IV.
  2. Baumel, Adriana; Basso, Luiz Carlos. (2014) Agricultura familiar e a sustentabilidade da pequena propriedade rural. In: Camargo, Gisele; Camargo FILHO, Maurício; FÁVARO, Jorge Luiz (Org.) Experiências em desenvolvimento sustentável e agricultura familiar. Guarapuava – Paraná: Ed. Unicentro.
  3. Buarque, S.C. (2008). Construindo o desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garland. 4ª. ed.
  4. Brasil. (22 de agosto. 1946). Decreto-Lei nº 9.613 de 20 de agosto de 1946. Lei Orgânica do Ensino agrícola. Brasília, DF: Diário Oficial da república federativa do Brasil, poder Executivo. Disponível em: . Acesso em: 28 de outubro 2016.
  5. Diário-DF-Diário. (25 de julho de 2006). Lei 11.326 de24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasília - DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Poder Executivo. Disponível em: < http://goo.gl/KYlw3P>. Acesso em 20 de agosto. 2015.
  6. Callou, í‚ngelo Brás Fernandes; Tauk Santos, Maria Salett. (2013). Extensão Pesqueira e Gestão do Desenvolvimento Local. In: Extensão Rural-extensão pesqueira: estratégia de comunicação para o Desenvolvimento. Recife: FASA.
  7. De Jesus, P. (2003). Desenvolvimento local. In: CATTANI, A.D. (Org.). A outra economia. Porto Alegre: Vaz Editores.
  8. Freire, Paulo: (2001). O projeto popular para o Brasil. In: CALDART, Roseli S. & KOLLING, Edgar J. (Orgs.). Paulo Freire: um educador do povo. São Paulo: Ed. Peres.
  9. Lima, I. S. (2000). A Formação do técnico agrícola como mediador entre as novas tecnologias e o contexto rural no Nordeste do Brasil. In: V. Congreso de associación Latinoamericana de investigadores de la comunicación (ALAIC). Santiago-Chile. Disponível em http://goo.gl/fTOxOT. Acesso em 20 de agosto de 2015.
  10. Lipietz, A. (1994) O local e o global: Personalidade regional ou inter-regional idade? Espaço e Debates.Vol.38. São Paulo. Núcleo de Estudos regionais e Urbanos-NERU.
  11. Martí, J. (2005). O retorno do território. En: OSAL: Observatório Social de América Latina. Año 6 no. 16 (jun.2005). Buenos Aires: CLACSO. --ISSN 1515-3282. Disponível em <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal16/D16Santos.pdf> Acesso em: jun. de 2015.
  12. MEC. Ministério da Educação. (2013). Projeto Pedagógico do Curso Técnico em agricultura –Proeja. IFPE Vitória de Santo Antão.
  13. Milanez, Francisco. (2003). Desenvolvimento Sustentável. In: CATTANI, A.D. (Org.). A Outra Economia. Porto Alegre: Vaz Editores.
  14. Ministério da Educação (2007). Secretaria de Educação Profissional Tecnológica, Documento Base do PROEJA, Brasília, DF: MEC.
  15. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2015). Plano Agrícola e Pecuário 2015-2016. Brasília-DF: Secretaria de Política Agrícola. Mapa/SPA. Disponível:<http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/Cartilha_PAP_2015_16_Publicada.pdf. >. Acesso em 28 de outubro de 2016.
  16. Ministério do Desenvolvimento Agrário (2016a). Plano safra (2015/2016). Brasília-DF. Disponível:<http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/agricultores-familiares-j%C3%A1-podem-acessar-cr%C3%A9dito-do-plano-safra-20152016>. Acesso em 28 de outubro de 2016.
  17. Ministério do Desenvolvimento Agrário (2016b). Secretaria de Desenvolvimento Territorial (SDT). Brasília-DF. Disponível:. Acesso em 28 de outubro de 2016.
  18. Minayo, M. C. de S. (org.). ( 1999). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 14a. ed. Petrópolis: Vozes.
  19. Nascimento, Elimar Pinheiro do. (2000). Educação e desenvolvimento na contemporaneidade: Dilema ou desafio? In: Ciências, ética e sustentabilidade: desafios do Novo século? Org. Marcelo Bursztyn. -São Paulo: Cortez Editora.
  20. Neves, Delma Pessanha. (2012) Agricultura familiar: In. CALDART, Roseli et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.
  21. Orlandi, Eni P. (2005). Análise de Discurso: Princípios e procedimentos. Campinas: Pontes.
  22. Pires, E.; Verdi, A. (2009). A Mobilização dos territórios para arranjos produtivos Locais. In: Silveira, M. (et.al) (org.) Questões nacionais e regionais do território brasileiro. São Paulo: Expressão Popular.
  23. Pires, Maria Luiza Lins e Silva. (2004) Tendências atuais dos estudos sobre cooperativismo. In: O cooperativismo agrícola em questão: a trama das relações entre o projeto e a prática em cooperativas do Nordeste do Brasil e do Leste do (Quebec) do Canadá. Recife: editora Massangana.
  24. Raffestin, C. (1993). Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática.
  25. Santos, M. (2007). Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record.
  26. Wanderley, M. N. B. (2004). Agricultura familiar e campesinato: Rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura. 21 Rio de Janeiro: UFRRJ.
  27. Wanderley, M. N. B. (2009). O Agricultor familiar no Brasil: Um ator social da construção do futuro, Maria de Nazaré Baudeal Wanderley-In PERTERSON, P (ORG). A Agricultura Camponesa na Construção do Futuro- Agriculturas experiências agroecológicas. Rio de Janeiro. AS-PTA.