Ir al menú de navegación principal Ir al contenido principal Ir al pie de página del sitio

El significado del espacio como emoción: el hotel como signo – Hotel Semiramis, um estudio || O significado do espaço como emoção: O hotel como signo – Hotel Semíramis, um caso O significado do espaço como emoção: O hotel como signo – Hotel Semíramis, um caso || The Meaning of Space as Emotion: The Hotel as Sign – Hotel Semiramis, a Case

Resumen

O objetivo desse artigo é uma construção do ideal de emoção através dos significados da linguagem do espaço. Busca-se numa instrumentalidade de teorias da linguagem aplicáveis ao espaço – o Hotel Semíramis em Atenas, na Grécia, como estudo – possibilitando potencialidades de uma leitura semiótica do espaço e seus limites interpretativos. Tratou-se de um estudo de caso que se vincula a um repertório bibliográfico que dá suporte à reflexão; tendo-se a semiótica peirceana como método interpretativo e de avaliação dos resultados. Conclui-se que uma semiótica do espaço se propõe a uma prática do projeto de arquitetura, para além da acepção da crítica em arquitetura; bem como a manifestação da hotelaria como uma das precursoras em possibilitar interatividade com o hóspede, no intuito de intelecções emotivas através de significados gerados pelo espaço apreendido.

The purpose of this article is a construction of the ideal of emotion through the meanings of the language of space. Search an instrumentality of theories of language applicable to space – the Semiramis Hotel in Athens, Greece, as a case study – enabling potential of a semiotic reading of the space and its interpretive limits. This was a case study that links with a bibliographical repertoire that supports reflection; having to Peirce's semiotics as interpretive method and evaluation of results. The conclusion was a semiotic space proposes a practice of architectural design, in addition to the purposes of criticism in architecture; as well as the manifestation of the hotel as one of the forerunners in enabling interaction with the guest, in order to intellections emotional through meanings generated by the perceived of space.

El propósito de este artículo es la construcción del ideal de emoción a través de los significados del lenguaje del espacio. Buscar un instrumental de las teorías del lenguaje aplicable al espacio - el Hotel Semiramis en Atenas, Grecia, como estudio de caso - posibilitando el potencial de una lectura semiótica del espacio y sus límites interpretativos. Se trata de un estudio de caso que se vincula con un repertorio bibliográfico que apoya la reflexión; Teniendo a la semiótica de Peirce como método interpretativo y evaluación de resultados. Se concluye que un espacio semiótico propone una práctica de diseño arquitectónico, además de los propósitos de la crítica en arquitectura; Así como la manifestación del hotel como uno de los precursores en permitir la interacción con el huésped, con el fin de las intelecciones emocionales a través de los significados generados por la percepción del espacio.

Palabras clave

Espaço, Linguagem, Significado, Emoção, Hotel, Arquitetura

PDF

Biografía del autor/a

Luciano Torres-Tricárico

Luciano Torres-Tricárico. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAU USP 1999), parte da graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP 1994), mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP 2004) e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP 2008). Atualmente é professor e pesquisador da Universidade do Vale do Itajaí (curso de graduação de arquitetura e urbanismo, engenharia civil, turismo e hotelaria; tecnólogo em design de interiores; especialização em design de interiores; programa de pós-graduação em Turismo e Hotelaria e disciplina do Núcleo de Disciplinas Internacionalizadas - Arquitetura brasileira). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Planejamento e Projeto do Espaço Urbano, Paisagem e Paisagismo, atuando principalmente nos seguintes temas: urbanização, urbanização em São Paulo, cultura, patrimônio, paisagismo e arquitetura.

Diva M. Rossini


Diva de Mello Rossini. Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (1986), graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade do Vale do Itajaí (2000), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004), doutorado em Administração e Turismo pela Universidade do Vale do Itajaí (2012) e pós-doutorado em Arquitetura pela Universidade de Lisboa (2014). Coordenou os cursos de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Vale do Itajaí até abril de 2012. Atualmente é professora dos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Tecnólogo em Design de Interiores e Mestrado em Turismo, da Universidade do Vale do Itajaí. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Projeto de Arquitetura e Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: arquitetura da cidade e seus atributos turísticos culturais, projeto arquitetônico, ergonomia.

Carlos A. Tomelin

Carlos Alberto Tomelin. Doutor em Administração e Turismo na área de concentração em Gestão de Empresas Turísticas pelo programa de Pós-graduação de Mestrado e Doutorado da Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI (SC), Mestre em Turismo e Hotelaria - UNIVALI, Pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior, Marketing e Turismo - UNIVALI e Graduado em Turismo pela PUC/RS. Vice-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional e Tesoureiro da UNIVALI. Professor do Programa Stricto Sensu - Mestrado e Doutorado - em Turismo e Hotelaria coordenou os cursos de Graduação e Pós-graduação Lato Sensu em Turismo e Hotelaria e idealizou a primeira Agência Escola do país. No programa atua no grupo de pesquisa de Hotelaria, Gastronomia e Serviços Turísticos, nas linhas de pesquisa de Marketing e Estratégia, Serviços e Operações e Tecnologias e Mídias. Cultura, Gastronomia e Folclore. í‰ palestrante em eventos da área e em Gestão e Planejamento de empresas turísticas. Participa do mercado de agências de viagens e turismo como profissional, pesquisador e educador.


Citas

  1. Agrest, D., & Gandelsonas, M. (2010). Semiótica e arquitetura: consumo ideológico ou trabalho teórico (1973). In K. Nesbitt (Ed.), Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify.
  2. Aumont, J. (1993). A imagem. São Paulo: Papirus.
  3. Broadbent, G. (2010). Um guia pessoal descomplicado da teoria dos signos na arquitetura (1977). In K. Nesbitt (Ed.), Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify.
  4. Cicciolina. Wikipedia. Recuperado em 21 julho, 2016, de http://pt.wikipedia.org/wiki/Cicciolina
  5. Caramella, E. da G. de P. (1994). Materiais e procedimentos. Tese de doutorado, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP), São Paulo.
  6. Dias, C. M. de M. (1990). Home away from home. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.
  7. Diniz, D. de O. (2008). Teoria epistemológica na obra das Passagens, de Walter Benjamin: o princípio da montagem literária de imagens dialéticas como uma possível marca do estilo. Anais do XI Congresso Internacional da ABRALIC. Tessituras, Interações, Convergências. São Paulo: Universidade de São Paulo (USP).
  8. Ferrara, L. D´A. (2000). Os significados urbanos. São Paulo: Edusp/FAPESP.
  9. Ferrara, L. D´A. (1993). Leitura sem palavras. São Paulo: Ática.
  10. Jeudy, Henri-P. (1999). Phillipe Starck: ficção semântica. Revista Arcos, v. II, número único.
  11. Laflamme, S. (1995). Communication et émotion, essai de microsociologie relationnelle. Harmattan: Paris.
  12. McMorrough, J. (2013). Ru (m) inações: As assombrações da arquitetura contemporânea [2008]. In A. K. Sykes (Ed.). O campo ampliado da arquitetura: Antologia teórica 1993-2009. São Paulo: Cosac Naify.
  13. Nesbitt, K. (2010). Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify.
  14. Petrocchi, M. (2002). Hotelaria: planejamento e gestão. São Paulo: Futura.
  15. Pignatari, D. (n.d). Semiótica Manual de Leitura AUP 425 e AUP 406. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo (USP).
  16. Santos, M. (1999). A natureza do espaço: técnica e tempo; razão e emoção. Hucitec: São Paulo.
  17. Semíramis. Wikipedia. Recuperado em 20 julho, 2016, de https://pt.wikipedia.org/wiki/Semíramis
  18. Spolon, A. P. G. (2011). Hotelaria, Cidade e Capital. Tese de doutoramento, Faculdade de Arquitetura e Urbananismo (FAU) da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.
  19. Sykes, A. K. (2013). O campo ampliado da arquitetura: Antologia teórica 1993-2009. São Paulo: Cosac Naify.
  20. Somol, R., & Whiting, S. (2013). Notas sobre o efeito Dopples e outros estados de espírito do modernismo [2002]. In A. K. Sykes (Ed.). O campo ampliado da arquitetura: Antologia teórica 1993-2009. São Paulo: Cosac Naify.
  21. Tafuri, M. (1984). La esfera y el laberinto. Barcelona: Editorial Gustavo Gili.
  22. Tafuri, M. (1985). Projecto e Utopia. Lisboa: Presença.
  23. Tricárico, L., Oliveira, J. P. de, Rossini, D. de M., & Miranda, P. S, (2013). Inovações em hotéis: emoção, sustentabilidade e automação como signo da arquitetura contemporânea. In C. Henriques (Ed.). Inovação e qualidade na hotelaria. Faro: UAlg.
  24. Tschimi, B. (2010). O prazer da arquitetura. In K. Nesbitt (Ed.). Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify.
  25. Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman Editora Ltda.